Um alerta de Laodiceia em Apocalipse para nós

A igreja de Laodicéia se destaca entre as seis outras igrejas das quais Cristo fala nos capítulos dois e três do Apocalipse porque tradicionalmente, e creio por boas razões, ela representa a igreja em seu último estágio da história humana.

Embora este ponto possa ser discutido de uma forma ou de outra, uma coisa é verdade: Cristo não tinha uma palavra de recomendação para esta igreja em particular.

Se acreditamos que a vinda do Senhor é iminente, então acreditamos que estamos vivendo nos últimos dias. Não colocamos um carimbo de data nessa declaração; simplesmente cremos que Cristo virá em breve para tirar Sua igreja.

Até que chegue esse momento, estamos aqui para ser a Igreja, permanecendo alinhados com a Sua vontade e com a Sua obra, sendo guiados pelo Espírito de Deus.

Porque esta igreja espelha tão de perto a mentalidade e o caráter da igreja de hoje, devemos todos prestar muita atenção às palavras de Cristo e advertência a eles.

A mensagem do Senhor para esta igreja é multifacetada, mas o ponto principal da carta é o arrependimento. Depois que o Senhor os repreende severamente, chegamos ao fim e vemos Seu coração; Ele deseja que eles se voltem para Ele. Suas palavras para eles encontram sua aplicação não apenas na própria igreja, mas também para cada crente.

A Igreja Morna

Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Apocalipse 3:15,16

Você já provou água morna? Tende a deixar um gosto ruim na boca. É uma mistura que o próprio Senhor não suportou. Esta condição descreve uma igreja ou um indivíduo que perdeu sua paixão e fervor pelo Senhor.

Eles se tornaram indiferentes às coisas de Deus. Essa falta de entusiasmo fez com que o Senhor os vomitasse de Sua boca. Essa condição de apostasia não aconteceu de repente, mas como eles chegaram aqui?

“O orgulho precede a destruição, o espírito altivo antes da queda” (Provérbios 16:18).

“Então, se você acha que está firme, tome cuidado para não cair!” (1 Coríntios 10:12).

O orgulho foi o culpado e será a razão pela qual qualquer pessoa ou igreja cairá. Por causa das coisas que provavelmente fizeram e colheram tanto material quanto financeiramente, presumiram que, de alguma forma, haviam recebido o favor do Senhor.

“Você diz: ‘Eu sou rico; Adquiri riqueza e não preciso de nada. ‘Mas você não percebe que é um miserável, pobre, cego e nu” (Apocalipse 3:17).

Sua condição levou Cristo a desencadear uma repreensão atordoante e pungente de cinco pontos, com o objetivo de revelar a eles sua verdadeira condição.

Sua ignorância era tão completa que eles nem perceberam quem eram.

Enquanto pensavam que não precisavam de nada, a verdade é que haviam cruzado aquela linha imaginária, embora muito real, e entrado naquele mundo de brilhante e orgulhosa ignorância, ou seja, que “eles não sabiam”, mas seu orgulho havia alcançado proporções épicas.

Mulheres orando no sofá, lembrem-se da santidade do lar ao retornarmos às igrejas físicas

Crédito da foto: Unsplash / Ben White

Enfrentando uma condição miserável

Quando Cristo se refere a eles serem miseráveis, Ele fala deles sendo abatidos e afligidos; eles estavam sofrendo os graves efeitos colaterais da tensão contínua. A tentativa de viver a vida cristã separada da misericórdia e da força que possuímos terá seu preço sobre nós. Aqui está o que Cristo disse:

“Venham a mim, todos vocês que estão cansados ​​e oprimidos, e eu os aliviarei. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam comigo, porque sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas” (Mateus 11:28-29).

Por que escolheríamos ser miseráveis ​​em vez de sermos fortes? Aqui está o que lemos do profeta Isaías:

“Venham, todos vocês que têm sede, venham para as águas; e você que não tem dinheiro, venha, compre e coma! Venha, compre vinho e leite sem dinheiro e sem custo. Por que gastar dinheiro com o que não é pão e seu trabalho com o que não satisfaz? Ouça, ouça-me e coma o que é bom, e você se deliciará com o mais rico dos pratos. Dê ouvidos e venha até mim; escute, para que você possa viver. Farei convosco uma aliança eterna, o meu amor fiel prometido a Davi” (Isaías 55:1-3).

A condição miserável do Laodiceano só poderia ser mudada indo à fonte e bebendo.

Cristo viu sua condição miserável como alguém que precisava desesperadamente de misericórdia. Agradeço a Deus por Sua misericórdia, pois quando precisamos, e muitas vezes, ela está lá:

“Ainda assim, lembro-me disso e, portanto, tenho esperança: por causa do grande amor do Senhor não somos consumidos, porque a sua compaixão nunca falha. Eles são novos todas as manhãs; grande é a sua fidelidade ” (Lamentações 3: 21-23).

O escritor de Hebreus também nos fala desta grande misericórdia:

“Aproximemo-nos, pois, do trono da graça de Deus com confiança, para que recebamos misericórdia e achemos graça para nos ajudar no nosso tempo de necessidade” (Hebreus 4:16).

Abra as mãos em oração, enxada para passar por tempos difíceis

Crédito da foto: Unsplash / Milada Vigerova

Deus amorosamente revela a falência espiritual da Igreja

Todos esses atributos de alerta não foram feitos para machucá-los ou prejudicá-los; antes, eles são um produto de Seu amor.

“Aqueles a quem amo eu repreendo e disciplino. Portanto, seja sincero e arrependa-se” (Apocalipse 3:19 ).

Foi por causa de seu amor que Ele precisava revelar a eles que estavam espiritualmente falidos; eles eram pobres de espírito – mas, como dissemos, eles não sabiam disso. No Sermão da Montanha , Cristo falou estas palavras familiares:

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” ( Mateus 5:3 ).

Isso fala daqueles que se conscientizaram de sua condição espiritual e perceberam que estão vazios. Os laodicenses não apenas desconheciam a si próprios, mas também eram cegos e nus; eles não tinham cobertura.

Cristo começa Seu convite e apela a eles com estas palavras:

“Aconselho-o a comprar de mim ouro refinado no fogo, para que fique rico; e roupas brancas para vestir, para que você possa cobrir sua nudez vergonhosa; e pomada para colocar nos olhos, para que possas ver” (Apocalipse 3:18).

Nestes versículos o Senhor promete vesti-los com Sua justiça e ungir seus olhos, fazendo-os ver novamente. Eles nem mesmo perceberam que seu comportamento e condição humilde haviam tirado o Senhor de seu meio. Encontramos Cristo nestes versículos finais, do lado de fora, procurando entrar:

Aqui estou! Eu fico na porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com essa pessoa e eles comigo” (Apocalipse 3:20).

Conforme declarado anteriormente, vemos nessas palavras o coração do Senhor. Ele busca comunhão conosco se apenas abrirmos a porta de nossas igrejas e de nossos corações, para que possamos desfrutar da plena comunhão de estar com aquele que nos salvou.

Devemos afastar a tentação de apenas “ter igreja” e buscar a verdadeira comunhão com ele que Ele deseja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *