Natal, Origem e Significado

Quando nos aproximamos do fim do ano, as lojas ao redor do país e do mundo se enchem de decorações, comidas e bebidas comumente associadas ao Natal.

Ainda assim, há muitos equívocos a respeito das origens e significados deste que é provavelmente um dos feriados mais importantes do calendário gregoriano.

Para começar, é preciso deixar claro que o intuito deste artigo não é induzir a comemoração ou não a data de 25 de dezembro, mas expor determinados aspectos do contexto cultural que envolvem o Natal como o conhecemos hoje.

O que diz a Bíblia?

No Evangelho de Lucas, é dito que o anjo Gabriel foi enviado a virgem chamada Maria para lhe anunciar a chegada do menino Jesus de seu próprio ventre.

Meses depois, o Filho de Deus nasceu em um estábulo na cidade de Belém, e foi colocado em uma manjedoura por Maria.

Os anjos anunciaram a chegada do menino aos pastores e louvaram ao nascimento do Salvador.

Segundo o Evangelho de Mateus, após algum tempo chegaram os sábios do Oriente (ou Três Reis Magos) procurando pelo “recém-nascido rei dos judeus”, os sábios guiaram-se pela Estrela que apareceu no céu no momento do nascimento de Cristo; eles presentearam o menino Jesus com ouro, incenso e mirra, pois era um costume dos orientais levar ofertas quando se apresentavam a um rei.

Este são alguns dos pontos principais a respeito do nascimento de Cristo segundo o relato bíblico, nota-se que não há menções a data de 25 de dezembro, ao Papai Noel, as árvores e outros enfeites natalinos ou mesmo a prática de presentear amigos e familiares, pois estes são simbolismos que provém de fontes externas ao texto bíblico.

Mesmo que atualmente possua um pano de fundo cristão, o Natal possui influência do Hanuká (feriado judaico), de festividades dos gregos antigos e celtas, e de celebrações folclóricas de povos europeus.

As raízes pagãs

O primeiro ponto diz respeito a data, atualmente a data de nascimento de Cristo é desconhecida, embora tenham havido algumas estimativas sobre o período de nascimento de Jesus não há consenso a respeito disso.

No século 4 foi estabelecido pelo Papa Júlio I que 25 de dezembro seria a data de comemoração do nascimento de Cristo, isto surgiu como uma tentativa de ressignificar festividades pagãs que se davam nesse período — como a festa de Saturnália e o Festival do Deus Sol, ambos voltados para a celebração do solstício de inverno.

Dentre os principais objetos simbólicos relacionados ao Natal temos o azevinho, que passou a ser interpretado como a coroa de espinhos que foi colocado sobre a cabeça de Cristo.

Este porém, possui um significado religioso anterior a era cristã, é dito que o arbusto possuía relação com o deus Sol e era usado como um item de proteção que se pendurava nas portas e janelas para evitar que os maus espíritos entrassem nas casas.

Quanto as árvores sagradas, estas possuem uma tradição antiga em meio a diversas culturas ancestrais, os egípcios consideravam que as palmeiras eram sagradas, já entre os druidas os carvalhos é que eram as árvores mais cultuadas e respeitadas.

A troca de presentes

Mesmo a prática da troca de presentes parece ter raízes pagãs, pois remete a crença de que o deus Odin entregava presentes as crianças.

Este aspecto de sua persona foi combinada a São Nicolau — um homem que, segundo a lenda, entregava ouro de forma anônima a uma família que não tinha condições de pagar os dotes de casamento de suas filhas — para formar o que é conhecido como o Papai Noel.

A imagem comercial do Papai Noel atual usando vestes vermelhas vem dos cartões de Natal americanos surgidos no século XIX.

Comemorar ou não o Natal?

Sabe-se que o Natal não era celebrado pelos primeiros cristãos e não há registros na Bíblia de que se deve comemorar o aniversário de Cristo — tampouco há registros de que não se deve —, entretanto, é ordenado que o cristão mantenha sempre viva a memória da morte e ressurreição de seu Senhor.

Atualmente alguns cristãos que são favoráveis a celebração do Natal argumentam que esta é uma data propícia para levar a palavra de Cristo aos descrentes e relembrar o mundo da divindade de Jesus enquanto Salvador da humanidade.

Pensando no costume atual de presentear as pessoas nos dias de seus aniversários, pode-se dizer que um presente adequado no dia do — suposto — aniversário de Cristo seria, de fato, a adoração a Ele.

Entre os que são contra a celebração do Natal, o argumento mais comum refere-se as origens pagãs da data, também há o fato de que nos últimos anos o feriado tornou-se uma data muito mais materialista e comercial do que espiritual e reflexiva, e além disso, a data foi instituída pela Igreja Católica e não por algum preceito bíblico.

Pode-se dizer que entre essa divergência de opiniões um fator extremamente importante é que cada um esteja em paz com sua própria consciência, como é dito em Romanos 14:5:

Da mesma forma, há quem considere um dia mais sagrado que outro, enquanto outros acreditam que todos os dias são iguais. Cada um deve estar plenamente convicto do que faz.”¹

¹ Trechos bíblicos retirados da Nova Versão Transformadora (NVT)

One Comment on “Natal, Origem e Significado”

  1. É interessante analisar o Natal de forma ampla e você ofereceu informações que acho que muitas pessoas desconhecem. Incrível ver além dessa data comercial, ver suas raízes e como de fato essa data foi instaurada. Obrigada por isso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *