7 mentiras que as igrejas modernas precisam parar de acreditar

Para vislumbrar as consequências devastadoras que podem advir de engolir uma mentira, basta olhar para a humilde lagarta.

Enquanto mastiga seu caminho alegre ao longo de uma planta, uma lagarta pode encontrar uma folha que parece  um lanche delicioso.

Mas a lagarta não sabe que um de seus inimigos mais traiçoeiros, a mosca tachinidae, já visitou aquela folha – e deixou para trás um punhado de ovos minúsculos. Sem saber, a lagarta come os ovos junto com a folha.

Agora o caos começa a se desenrolar. Os ovos eclodem em larvas, que começam a consumir a lagarta. Do lado de fora, a lagarta está marchando como de costume.

Por dentro, está morrendo lentamente. Seus assassinos internos se transformam em taquinídeos adultos, que irrompem para colocar seus próprios ovos.

Em vez de cumprir sua missão de se tornar uma borboleta, a lagarta morre como um recurso para seu inimigo.

Sórdido, certo? 

Agora vamos pensar em como um processo semelhante pode se desdobrar na igreja. As Escrituras nos avisam que nós, como a lagarta, temos um inimigo que está constantemente procurando “alguém para devorar” (1 Pedro 5:8). Jesus chamou esse inimigo de pai da mentira (João 8:44).

Como os ovos de taquinídeo que evitam que uma lagarta se transforme em borboleta, as mentiras deixadas sem controle podem impedir que as igrejas cumpram seu propósito e potencial dados por Deus.

Para que nós, junto com a lagarta, não sirvamos para incubar a causa que nos destruiria, vamos examinar sete mentiras comuns que as igrejas podem engolir.

Mentira # 1: Você precisa ver os resultados ou não está fazendo a vontade de Deus.

Como seres humanos pode ser fácil para nós julgar o valor dos nossos ministérios com base apenas naquilo que se pode  ver de resultados.

Podemos suspeitar que, se não vemos nossos esforços atraindo grandes multidões (ou quaisquer multidões), mudando inúmeras vidas (ou quaisquer vidas) ou fazendo uma grande diferença (ou qualquer diferença), não devemos estar fazendo a vontade de Deus.

É verdade que uma aparente falta de resultados pode indicar que precisamos reavaliar com oração se estamos administrando melhor o tempo e os recursos que Deus nos deu.

Mas se já sabemos que estamos realizando a tarefa para a qual Deus nos chamou, e se a estamos cumprindo com o melhor de nossas habilidades com a força que Ele fornece, então nossas percepções dos resultados são irrelevantes.

Pense no profeta Jeremias. Quando Deus encarregou Jeremias de advertir Israel do julgamento vindouro, Deus disse a  Jeremias que o povo não se arrependeria (Jeremias 7:27).

Como Jeremias, nosso trabalho não é “ver resultados”, mas obedecer a Deus. Nosso sucesso não reside em nosso impacto, mas em nossa fidelidade.

E nosso valor não está na resposta do mundo a nós, mas no amor de nosso Criador por nós.

Mentira # 2: a idade é proporcional à relevância.

Impulsionadas pelo desejo de ver resultados, algumas igrejas podem experimentar uma aparência jovem na esperança de parecer “relevante”.

Podemos acreditar que, para ter uma aparência atraente para a cultura, devemos parecer modernos. Para parecer moderno, devemos atender aos jovens. E para atender aos jovens, devemos marginalizar os idosos.

Duas questões. Primeiro, onde as Escrituras dizem que a prioridade da igreja é parecer atraente para a cultura?

É verdade que não queremos perpetuar a imagem de que a crença em Deus é desatualizada e irrelevante.

Mas pergunte às pessoas por que elas podem achar que a crença em Deus está desatualizada, e você provavelmente não vai ouvi-las responder, “porque as igrejas ocasionalmente tocam hinos antigos e podem incluir fiéis idosos”.

Mais provavelmente, você ouvirá as pessoas sugerirem que os ensinamentos bíblicos (e a moral) estão desatualizados porque “a Bíblia é um monte de mitos” ou “a ciência refutou as Escrituras”.

Essas  são mentiras para outra discussão. O ponto agora é que para mostrar que o cristianismo é relevante, devemos demonstrar que seu fundamento é verdadeiro – não que seus seguidores sejam jovens.

Em segundo lugar, onde as Escrituras dizem que os idosos são menos “relevantes” do que os mais jovens?

Essa é uma mensagem que recebemos de culturas ocidentais individualistas, não da Bíblia. Na verdade, as Escrituras ensinam o significado de adultos piedosos no Corpo de Cristo, com os anciãos desempenhando papéis centrais tanto no antigo Israel (Números 11:16) quanto na igreja primitiva (1 Timóteo 5:17).

Mentira # 3: Pessoas de diferentes idades e estágios devem ser mantidas segregadas.

Acreditando que a idade é proporcional à relevância, algumas congregações podem relegar os idosos a seus próprios círculos e serviços periféricos aos da igreja “real”.

Crianças, adolescentes e jovens adultos também podem ser levados para seus recipientes separados, resumindo o Corpo de Cristo em uma seleção cuidadosa de 31-59 anos de idade.

Eu sou absolutamente a favor de oferecer aos frequentadores oportunidades de acesso ao ensino específico para cada idade e de se conectar com colegas que pensam da mesma forma.

Esses são aspectos fantásticos e inestimáveis ​​de pertencer a uma igreja – mas não são os únicos.

Existe a necessidade de relacionamentos intergeracionais dentro da igreja quando perguntamos a estudantes cristãos o que os ajudou a manter sua , os alunos expressaram a importância de ter colegas com ideias semelhantes e mentores mais velhos piedosos.

Mas a segregação de idade exclui os cristãos de tantos mentores. Impede que gerações adorem juntas, sirvam juntas e aprendam umas com as outras.

Como podemos esperar que o Corpo de Cristo prospere se estamos desconectando seus membros uns dos outros?

Mentira # 4: cuide do conforto do indivíduo.

Uma razão pela qual os frequentadores da igreja podem esperar ensino exclusivo para a idade é porque as igrejas ocidentais há muito vêm promovendo uma cultura de consumismo cristão.

A mensagem diz: “Você merece uma igreja que se adapte aos seus gostos, se adapte à sua vida, que o deixe confortável e o mantenha feliz”.

Este tipo de Cristianismo ensina os cristãos a escolher uma igreja sem considerar: “Esta comunidade ensina, acredita e vive a Bíblia? Se sim, como posso me juntar à missão deles? ” Em vez disso, ensina as pessoas a virem à igreja perguntando: “O que eu ganho com isso?” 

Imagine se a igreja primitiva adotasse essa mesma mentalidade.

Isso soa exatamente o oposto do que Filipenses 2:3-8 realmente ensina. Em outras palavras, promover o cristianismo centrado em mim significa divulgar uma mensagem que vai contra o evangelho.

Crédito da foto: © Getty Images / Arkira

Mentira # 5: diga às pessoas o que elas querem ouvir.

Um sintoma particularmente mortal do cristianismo centrado no eu surge quando as igrejas comunicam apenas os tipos de mensagens que as pessoas desejam ouvir.

Isso acontece quando os frequentadores da igreja ficam tão condicionados a acreditar que a igreja existe para ‘se sentir bem’ que se recusam a tolerar qualquer mensagem que lhes pareça ofensiva – incluindo o evangelho.

Na melhor das hipóteses, entregar apenas mensagens que as pessoas querem ouvir reduz a igreja a uma sociedade de autoajuda ou um clube social.

A igreja se torna um lugar onde as pessoas podem se encontrar com amigos, assistir a um show e experimentar uma mensagem motivacional.

Em tais igrejas, as pessoas comuns aprendem como levar existências melhores – mas as almas mortas não aprendem Quem pode torná-las vivas.

Na pior das hipóteses, entregar as mensagens que as pessoas querem ouvir significa espalhar falsas doutrinas.

Paulo advertiu sobre tais situações em 2 Timóteo 4:3, explicando: “está chegando o tempo em que as pessoas não suportarão ensino sólido, mas, tendo os ouvidos com coceira, acumularão para si professores para atender às suas próprias paixões”.

Mentira # 6: Se você ignorar os temas difíceis, eles irão embora.

Apenas ensinar mensagens que as pessoas querem ouvir provavelmente significa evitar tópicos difíceis na esperança de que as questões relacionadas de alguma forma desapareçam.

Talvez isso signifique descartar partes da Bíblia que são impopulares, desconfortáveis ​​ou controversas.

Ou talvez signifique recusar-se a tomar medidas bíblicas diante da adversidade, como fizeram os muitos fiéis que permaneceram em silêncio na Europa ocupada pelos nazistas. 

Tópicos não discutidos, perguntas não respondidas e ações não realizadas só tendem a infeccionar com o tempo, como uma ferida profunda não tratada.

Referências cursivas, respostas prontas e respostas simbólicas provavelmente não irão aliviar a situação mais do que um band-aid irá atenuar uma infecção.

As questões principais exigem grande atenção. Eles exigem discussão bíblica e respostas bíblicas.

Essas respostas, por sua vez, requerem imensa quantidade de sabedoria e gentileza (Mateus 10:16), apoiadas em oração.

Mentira # 7: Se a cultura e as Escrituras discordam, fique do lado da cultura.

Quando a Bíblia contradiz nossa cultura, podemos ser tentados a tentar ajustar as próprias Escrituras em resposta.

Ajuste um versículo aqui, explique uma passagem ali. Assim, podemos evitar a controvérsia, evitar parecer esquisitos e, acima de tudo, permanecer “relevantes”. Fácil, certo?

Fácil … e desastroso. 

Se reinterpretar, deletar ou interferir de outra forma com os ensinos claros das Escrituras para acomodar as ideias humanas de fora das Escrituras, estaremos tratando a sabedoria de humanos propensos ao erro como superior à palavra de nosso Deus infalível.

Isso eleva os humanos à divindade ilusória, essencialmente dizendo que a verdade depende de nós – que a Bíblia pode significar qualquer coisa que quisermos. Essa Bíblia não significa absolutamente nada.

É assim que, ao considerar os humanos certos e Deus errado, tornamos nossa fé irrelevante  em nossas tentativas de parecer relevantes.

Mesmo a reinterpretação de ensinamentos aparentemente menores das Escrituras pode levar a consequências importantes.

Por exemplo, eu vi um escritor cristão professo tentar acomodar os ensinamentos evolucionários removendo um Adão literal do Gênesis.

Mas 1 Coríntios 15 afirma que um Adão real cometeu um pecado real, levando à morte real para todos os humanos, razão pela qual Jesus teve que morrer uma morte real para pagar pelo pecado humano.

Rejeitar esses ensinos obrigou o escritor a concluir que o propósito de Jesus ao vir à terra não era morrer pelos nossos pecados, ao contrário da mensagem central de salvação das Escrituras.

Em última análise, reinterpretar um dos ensinamentos do Gênesis significava eviscerar o cristianismo histórico.

Conclusão

No final, vemos que uma tentativa de mesclar as Escrituras com a cultura pode minar o evangelho.

Uma mentira pode incapacitar uma igreja. Um ovo taquinídeo pode evitar que uma lagarta se transforme em borboleta.

Se ao menos aquela lagarta tivesse uma maneira de reconhecer os ovos de taquinídeo antes de consumi-los acidentalmente. 

Se ao menos tivéssemos uma maneira de reconhecer as mentiras antes que elas nos consumam.

Nós fazemos. 

A palavra de Deus é nosso padrão final para a verdade. É o teste decisivo supremo para reconhecer mentiras, a arma para destruir mentiras e a realidade para substituí-las.

Ao nos enchermos constantemente com a palavra de Deus, podemos resistir a engolir mentiras que nos destruiriam. Podemos crescer fortes na verdade que nos sustenta.

E podemos voar para cumprir nossos propósitos dados por Deus.

One Comment on “7 mentiras que as igrejas modernas precisam parar de acreditar”

  1. Muito bom, ao saber a vontade de Deus e cumpri- lá , eu anulo a minha e Certamente não haverá erros e com isso, estarei indo de encontro com o propósito que Ele me deixou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *