Ser uma boa pessoa não é suficiente para entrar no céu

Se a salvação universal for real, então Cristo não precisava morrer. Ele poderia ter curado corpos e ensinado moralidade sem perdoar o pecado. Em vez disso, ele foi voluntariamente à cruz, perdoando pecadores o tempo todo.

O evangelho nos diz que só chegamos ao céu por Jesus (João 14:6).

No entanto, muitos estão confiantes de que ninguém está indo para o inferno; de fato, estudos mostraram que a maioria das pessoas pensam que irão para o céu quando morrer.

Muitos dos chamados cristãos estão divulgando uma mentira: que boas pessoas irão para o céu.

Por que não basta ser bom?

Existem apenas dois destinos possíveis após a morte: céu ou inferno.

O céu é “a morada de Deus” e o reino da perfeita reconciliação entre Deus e sua criação caída. Aqui, não haverá mais dor ou sofrimento.

2 Pedro 3:13 diz: “De acordo com sua promessa, estamos aguardando novos céus e uma nova terra na qual a justiça habita.”

Apocalipse 22:1-5 descreve “o rio das águas da vida” que flui “brilhando como cristal […] pelo meio das ruas da cidade” com “a árvore da vida com seus doze tipos de frutos” florescendo ao longo de suas margens. Aqui “não haverá mais […] nada amaldiçoado” e os habitantes “não precisarão de luz de lâmpada ou sol, pois o Senhor Deus será a luz deles e eles reinarão para todo o sempre”.

A alternativa é o inferno, separação eterna de Deus, “o lago que arde com fogo e enxofre, que é a segunda morte” (Apocalipse 21:8).

Mesmo as pessoas que acreditam que Jesus era “bom” e que são elas mesmo pessoas “boas” passarão a eternidade no inferno, se não crerem nele para a salvação.

Através de Jesus

Quando dizemos às pessoas que Deus deu a seu Filho para que quem nele crer tenha a vida eterna (João 3:16), estamos falando de Cristo, que morreu na cruz e ressuscitou antes de subir ao céu.

Ele é um com Deus (João 10:30) e o Espírito Santo (João 14:16-17).

Aqueles que acreditam que podem vir a Deus seguindo apenas os ensinamentos de um homem bom, mas mortal, chamado Jesus de Nazaré, não entendem.

Ele perdoou pecados, o que somente Deus poderia fazer. Ele disse aos discípulos que eles teriam que comer sua carne e beber seu sangue. (João 6:54).

CS Lewis é frequentemente citado como tendo dito: “ou este homem era e é o Filho de Deus, ou então um louco ou algo pior”.

Não podemos argumentar inteligentemente que Jesus era apenas bom e que podemos ser bons seguindo suas lições, entrando assim nos portões do céu sem honrá-lo e glorificá-lo como nosso Senhor.

Ninguém é justo. (Romanos 3:10) “Todos nós, como ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho; e o Senhor colocou sobre ele a iniquidade de todos nós” (Isaías 53:6).

Nunca podemos ser bons o suficiente para compensar nossa maldade. Quando esperamos que o céu seja nossa sobremesa justa, estamos de fato ignorando a justiça de Deus, que poderia condenar a obediência servil do filho mais velho, tanto quanto a depravação do filho mais novo.

Não merecemos ser salvos

O perdão é um presente que não merecemos. Nós “nos rebelamos completamente contra nosso Criador. Somos profundamente afetados pelo pecado.”

Cada parte de nós foi corrompida e somos incapazes de ganhar nosso caminho para o céu.

Deus Todo Amoroso

Deus é frequentemente definido por cristãos e não-cristãos como “todo amoroso”.

Alguns argumentam que todas as pessoas boas vão para o céu, segundo elas o amor não permite que pessoas “boas” vão para o inferno.

No entanto, além do fato de que ninguém é bom, exceto Deus (Marcos 10:18), essa definição de “amor” é fraca.

“O amor perfeito afasta o medo” (1 João 4:18), e “o amor maior não tem ninguém além disso: dar a vida pelos amigos” (João 15:13). O

Amor não é leve e fofo, mas ativo, sacrificial e poderoso. O amor de Deus caminha lado a lado com a sua justiça, alguém precisa pagar pelo pecado, pela transgressão que cometemos em relação ao Criador.

Jesus pagou esse preço, por amor, por isso a necessidade de admitirmos que apenas através desse sacrifício é que nos tornamos “quites” com a nossa dívida.

Por sua morte, somos misericordiosamente liberados da justa consequência do pecado: nossa própria morte.

Nós somos maus, não bons

Naturalmente, queremos que os criminosos sejam punidos. Nós tendemos a pensar nas outras pessoas como “más”, mas Jesus declarou “quem está zangado com seu irmão sem causa estará em perigo de julgamento” e quem diz: ‘Seu tolo!’ estará em perigo de fogo do inferno” (Mateus 5:22).

Ao considerar “os imensos sofrimentos que as pessoas cometem entre si”, descobrimos que em “continente após continente, país após país, tortura após tortura, assassinato após assassinato”, fica claro que “a humanidade é desesperadamente perversa” e que “nós não levamos as escrituras a sério o suficiente.”

Nós éramos inimigos de Deus, o mal contra o qual ele defendia seu povo até que nos tornássemos filhos e filhas por adoção.

Culpamos Satanás, desequilíbrio químico, lesão cerebral, educação, mas o problema é o pecado. E no que diz respeito a Deus, todos “pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3:23).

Somos todos maus, mas o potencial para a salvação é um presente gratuito oferecido a todos. Deus não disse que “todos os que são maus irão para o inferno” ou “deixarei as pessoas agradáveis ​​entrarem no céu”.

Ele disse que “todos que creem em Jesus” terão a vida eterna com ele. “A queda humana torna o evangelho poderoso: só podemos apreciar a extensão da obra de Cristo quando entendemos o mal e a corrupção que nós e o mundo realmente contemos.”

Boas obras para ser salvo

Apesar da palavra de Deus sobre o assunto, muitos cristãos persistem no ensino em que se deve acreditar e também fazer boas obras para ser salvo.

“Os justos herdarão a terra e nela habitarão para sempre” (Salmo 37:29).

Normalmente, as pessoas são declaradas justas em tribunais humanos com base em seu bom comportamento. Nesse caso, eles estão “certos” e se cometeram o crime pelo qual estão sendo julgados, serão “condenados”.

A confiança verdadeira e sincera em Cristo mudará a pessoa, levando à bondade, fidelidade, gentileza e assim por diante. Porém uma pessoa não é salva crendo em Cristo e fazendo mais alguma outra coisa.

Somos salvos pela graça, pela , não pelas obras (Efésios 2:8) “para que ninguém se glorie” (1 Coríntios 1:29). O Pai quer que nos orgulhemos de seu Filho.

Cristo morreu por uma razão

O preço do pecado tinha que ser pago, e apenas o sangue sem pecado e não contaminado era bom o suficiente. “De acordo com Jesus, ninguém é bom” e “qualquer um que honestamente reflita sobre sua vida e sinceramente sondar seu coração , sabe que isso é verdade”.

“Nele temos a redenção pelo seu sangue, o perdão das nossas transgressões, segundo as riquezas da sua graça” (Efésios 1:7).